29 de nov de 2010

lembranças.


Permaneço nesse mar de lembranças que você me pôs. Com a certeza que conseguirei sobreviver se me esforçar mais um pouco. Nado, tento, luto, quase alcanço... mas sou vencida por uma onda de recordações que me deixam um pouco boba, agindo por inconsequencia.
Mesmo assim não desisto, continuo nadando para vencer. E quando consigo enxergar a superfície, sou vencida novamente pela mesma onda de recordações. E entre umas e outras braçadas, entrego-me lentamente a essa agitada maresia de lembranças, pedindo para quem sabe um dia conseguir me salvar.

7 de nov de 2010


Por tanto tempo eu escondi, mas agora vou falar.
Eu não te esqueci, se é isso que você quer saber.
Aqueles momentos foram tudo pra mim sim, e hoje eu não temo em dizer isso, pois sei que você sentia o mesmo.
Quando eu temia, era porque não sabia dos seus sentimentos. Mas depois achei eu achei que tivesse te esquecido e você fez o favor de dizer que me amava... que continuava se importando comigo e que a distância doía demais.
Tarde demais, eu já nem te amava mais.
Só que aí você conseguiu me esquecer. Jogou fora todos os momentos e coisas lindas ditas. Afinal, você ainda se lembra disso? Pois é, lembro-me de tudo em cada detalhe.
Conseguiu destruir toda minha doce ilusão de achar que não te queria mais ao chegar na minha frente e sorrir.
E agora só faz me confundir, com declarações contraditórias.
Mas afinal, tudo vai voltar a ser como era antes? O mundo realmente gira e coloca tudo no seu devido lugar? Não sei, mas o tempo dirá.
Só espero que não seja tarde demais quando você perceber que ainda precisa de mim.

Ah, e eu quase me esquci... ainda me sinto tão vulnerável a ti :/