10 de mai de 2011

Meu tão (im)perfeito disfarce.

Quem me vê sorrindo sempre acha que sou só felicidade. Ah, se meus olhos mostrassem meu verdadeiro 'eu'. As pessoas poderiam ver que nem tudo é o que parece. É preciso disfarçar. Não se pode mostrar a verdadeira face. Se lessem meus pensamentos, eu estava ferrada. Só veriam uma coisa, ou talvez um nome, ou talvez bons momentos. Ou até tudo isso e um pouco de saudade.
Aprendi a disfarçar para evitar perguntas. Não quero responder sobre você. Não quero que saibam da sua existência, e muito menos da sua presença em meus pensamentos. Em meu coração. Mas a quem eu estou tentando enganar? Acreditei em minha própria farsa e hoje duvido se gosto mesmo de você. Talvez seja só de momento. Ou não. Os dias dirão.
Enquanto isso, acordarei, colocarei minha melhor máscara de disfarce e caminharei pelas ruas distribuindo sorrisos, quando por trás, as lágrimas das dúvidas derretem lentamente meu tão (im)perfeito disfarce.

Ele: enquanto eu não puder estar aí, vou pedir pro meu anjo da guarda ir te proteger.
Ela: você sempre fala tudo o que eu preciso ouvir.
Ele: e você é tudo que eu sempre precisei.

... Enquanto todos deletam "liberdade" e "sonhos" do vocabulário, eu acrescento mais de cada um em minha vida. Liberdade é o que almejo, sonhos é o que me alimenta.
Como podem viver sem isso? Como não ter um objetivo? Por que não sonhar? Dá pra sobreviver?
Não sei, apenas tento me levar para onde serei feliz. Para o caminho certo, e se for o errado, tirarei proveito disso. Aproveitarei de tudo. De cada queda, cada fraqueza. Aprenderei com isso e criarei forças.
Enquanto uns desistem na primeira no primeiro obstáculo, eu persisto até que não haja mais obstáculos. Até que tudo esteja plano.

3 de mai de 2011

11/04/2011


Feliz aniversário para o único que me faz feliz e triste ao mesmo tempo, rir e chorar na mesma hora. Uma contradição imensurável, onde eu o amo por tudo e odeio-o por tanto amor. O orgulho que tenho por meu sentimento é o mesmo da saudade que me faz querer esquecer. E a distância que é quase nula quando com ele sonho, é maior que todo universo quando caio na realidade. Realidade essa que me faz querer desistir, não amar mais, deixar tudo de lado e parar de sonhar. Mas o que serei sem meu sonho? O que mais me faria sorrir se não a certeza de que um dia ainda terei aquele abraço tão forte e sincero? Pra onde iria a esperança de que tudo iria ficar bem quando eu corresse atrás?


- texto escrito em 11/04/2011, postado em 03/05/2011 por motivo de preguiça da autora.

Vem...


Queria uma explicação para o sorriso que brota em meu rosto ao te ver sorrir. Queria entender o motivo pelo qual eu me derreto tanto quando olhas nos meus olhos. Por que o seu pedido é tão suplicante, e por quê mesmo eu resistindo, sempre acabo sedendo no final?
Busco resposta para a tua presença constante em meus pensamentos e luto contra a minha consciência para te tirar de minha mente, mas é o mesmo que nada.
Diga-me a razão disso tudo. Explique o porquê dessa paixão tão imediata. Fala que sente o mesmo, ou que não sente nada. Vem sorrir comigo ou rir de mim. Vem ser feliz, vem me fazer feliz.

Amor proibido


Me desculpe por desistir tão cedo por nem ter tentado.
Desculpa por ser tão fraca e não querer continuar, ou até por não saber fazer isso.
Me desculpa por te amar e não ter forças pra falar.
Perdoa-me se em algum momento deixei transparecer o quanto eu estava desesperada por ti.
Desculpa por eu não passar tanto tempo olhando nos teus olhos, mesmo daquela vez em que você disse: "Olha pra mim. Ei, é pra olhar. Dá pra parar de desviar?". Me desculpa. Eu imploro. É que me perco nos teus olhos e não sei como voltar. Neles tem um labirinto escuro, e no final, um precipício. Se eu passar muito tempo olhando, encontrarei a saída, e depois disso, já era... Tarde demais.
Por isso, te peço desculpas. Pela minha fraqueza, pelos meus motivos, pelos tantos motivos...
Me desculpa por desistir desse amor tão proibido.

Copo de veneno.


Me vejo como este copo de veneno. Queimo. Mato lentamente. Faço sofrer amargamente. Sou transparente, mas jamais me decifrarás, e quando isso acontecer, será tarde demais. Já terei te consumido completamente. Envenenado-te. Sou uma passagem de ida sem volta. Ida para o paraíso ou para o inferno. Tudo depende de como serás comigo e para onde queres ir quando estiveres mais aqui. Pois como um fiel e amargo copo de veneno, te apresentarei o outro lado da vida. Vida?